Foto: Reprodução/A Tribuna

Eleição Suplementar para Prefeito e vice será realizada neste domingo (08) em Silva Jardim

Neste domingo (08), 18.623 mil eleitores de Silva Jardim devem comparecer as urnas eletrônicas nas eleições suplementares para os cargos de prefeito e vice do município. Sete chapas concorrem à Prefeitura. O candidato vitorioso no pleito suplementar exercerá o mandato até 31 de dezembro de 2020, quando será substituído pelo prefeito a ser eleito nas eleições municipais de 4 de outubro deste ano.

A votação irá ocorrer das 8h às 17h. Na seção eleitoral, é preciso apresentar um documento oficial com foto (original) e dentro da validade. Os eleitores que já fizeram a biometria poderão utilizar a versão digital do título na hora de votar. Baixado em celulares que utilizam os sistemas IOS e Android, o aplicativo e-Título é válido como documento oficial de identificação no momento do voto. Caso o eleitor ainda não tenha feito a biometria, a foto não vai aparecer no aplicativo. Nesse caso, ele deverá levar o documento oficial com foto.

Candidaturas

Por ordem alfabética, as sete chapas que disputam a eleição suplementar são formadas por Antônia Benfeitas, a Dra. Antônia Benfeitas, candidata pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), tendo como vice Maria José da Silva. Evandro Pietrafessa encabeça a candidatura do partido Avante, com Elmo Cruz Machado como vice. A chapa de Júlio Cezar Delphino, o pastor Júlio Cezar, traz como vice Pedro Paulo do Carmo, o Pedro Paulo Pepê. Eles concorrem pelo partido Podemos (Pode). Maria Dalva do Nascimento, a Cilene, e o vice Marcos Antônio Nascimento, o Marquinho Caranga, disputam pelo Solidariedade (SD). Já Valber Tinoco terá como vice o coronel Wolney Dias, na Coligação “Escrevendo uma Nova História” (Republicanos/PTB). Por fim, Zilmara Brandão e o vice Liés Abibe são os nomes do Partido Liberal (PL).

Jaime Figueiredo e a vice, Marcilene Xavier, são os candidatos da coligação “Reconstruindo Silva Jardim” (PP/ Pros). Jaime Figueiredo teve o registro de candidatura indeferido pelo Juízo da 63ª Zona Eleitoral pelo fato de não ter cumprido o prazo para sua filiação partidária no Pros. O candidato entrou com recurso contra a decisão, que será julgado pelo TRE-RJ em data ainda não definida. Jaime Figueiredo continua apto para participar da campanha e fazer propaganda eleitoral, devido ao efeito suspensivo do recurso, previsto na legislação eleitoral (art. 257, §2.º do Código Eleitoral e art. 16- A da Lei n.º 9504/97).

 

Entenda o caso

As eleições suplementares ocorrem em razão de o TRE-RJ ter cassado, em setembro de 2019, o diploma da então prefeita de Silva Jardim, Maria Dalva do Nascimento, a Cilene (SD), por compra de votos, abuso de poder político e econômico e uso indevido dos meios de comunicação nas Eleições 2016. Eleita vice-prefeita em 2016, Cilene assumiu a Prefeitura após a renúncia de Wanderson Gimenez, o Anderson Alexandre (SD), que encabeçava a chapa nas eleições passadas.

Na mesma decisão, confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral, a Corte afastou a inelegibilidade de oito anos aplicada a Cilene pelo Juízo da 63ª Zona Eleitoral, por entender que não havia ficado comprovada a “contribuição causal dela nos ilícitos eleitorais”. Além disso, a Corte Superior  lembrou que esse tipo de sanção tem “natureza personalíssima”, ou seja, deve ser aplicada apenas a quem comprovadamente cometeu a ilicitude.

Verifique também

Eleições 2020: faltam dois meses para o prazo final de regularização do título de eleitor

Para escolher novos prefeitos e vereadores nas Eleições 2020, o eleitor precisa estar em dia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *